topbella

sábado, 20 de julho de 2013

Livros: Um agente transformador!

Olá, amores


Saaaudades de postar, escrever, falar com vocês. Como eu já tinha explicado antes, NÃO abandonei o blog, só não estou conseguindo postar. Mas, hoje eu trouxe um texto (na verdade é uma matéria) super lindo, vamos conferir?


Bom, no dia da confraternização do ultimo dia do curso de inglês, um colega de sala distribuiu uma revista chamada "Brasil, Almanaque de cultura popular" (como o nome já diz, a revista aborda assuntos/temas interessantíssimos sobre a cultura brasileira.), e lendo no ônibus achei uma matéria que só uma parte do  título me chamou atenção: "O Livro tem que chegar antes que o crime". Eu não vou fazer nenhum comentário a respeito da matéria, porque ela sozinha já diz tudo. 



"O livro em que chegar antes que o crime" , defende Sacolinha.

Ademiro Alves de Sousa, o Sacolinha, tinha 18 anos quando leu o primeiro livro. 
Trabalhava como cobrador de lotação e, numa viagem qualquer, caiu uma publicação em suas mãos. Passou a ler sem parar - e a torcer para a viagem demorar mais para que pudesse terminar a história. Até que folheou Quarto de Despejo, de Carolina Maria de Jesus. A história da mulher favelada era muito parecida com a de gente de sua comunidade. Foi um baque.

Da leitura partiu para a escrita. Hoje, aos 30 anos, o morador de Suzano, na Grande São Paulo, é autor de seis livros: Graduado em Marginalidade, 85 Letras e Um Disparo, Peripécias de Minha Infância, Estação Terminal, Manteiga de Cacau e Como Água do Rio. Todos publicados por editoras importantes, com prefácio escritores como Ignácio de Loyola Brandão e Moacyr Scilar.

Só escrever, porém, não bastou. Seja pela secretaria de Cultura de Suzano, seja de forma autônoma, criou saraus, concursos literários, salão internacional do livro, bibliotecas públicas. Foi às ruas, ministrou oficinas em favelas, deu aulas em penitenciárias. 

Nessas andanças, descobriu que todo mundo gosta de ler. "Se em algum momento o sujeito teve um livro nas mãos e não gostou é porque não era a leitura certa" 

Formado em Letras, Sacolinha aposta que a leitura tem a capacidade de transformar a realidade, assim como transformou a sua. Pra ele, as crianças se identificam nos que estão por perto e têm algum status, como traficante, o jogador de futebol. Mas, a medida que houver um escritor negro, jovem e que aparece na tevê, "a inspiração muda de alvo". 


Seu sonho é que todas as crianças tenham livros á disposição. "O importante é fazer o livro chegar antes que o crime", defende. (BH)

E para terminar esse poste com chave de ouro, vou deixar uma frase do livro de Sacolinha "Como a Água do Rio"

"...Sou como a água do rio, que nunca é a mesma e que se renova a todo instante..."
-Sacolinha 



Beeijos, até mais! 

*Matéria extraída  da revista "Brasil, almanaque de cultura popular". Junho-2013. N° 170. 

sábado, 6 de julho de 2013

Será que é pedir de mais?

Olá amores, 

Tem um tempinho que não posto um texto meu, então, vamos conferir? 




Será que é pedir muito um alguém que me apoie? 
Um alguém que nas horas difíceis olhe para mim e diga: " Está tudo bem", "Vai ficar tudo bem, eu tô aqui com você" 
Será que é pedir de mais? 
Uma pessoa sincera que doe tanto quanto eu para sermos felizes? 
Será que é pedir demais uma pessoa que não seja só um status no facebook? 
E que seja Verdadeiro? 
É, cheguei a conclusão que é pedir de mais :/ 

Foi isso aí, 
Beijos de chocolate :*